Macacos de terno e gravata

Gostaria de saber quem foi o porco(a) que inventou as regras de etiqueta.

Essa balela de frescurinha na hora do almoço está no meu top de coisas inúteis que não fazem sentido, e não estou falando que sou a favor de pessoas comendo em estábulos, mas sim que 8 talheres, 3 copos, 2 lenços e uma almofadinha não são necessários na hora de uma refeição civilizada em que as pessoas se sintam confortáveis.

Eu acho que o abominável ser que criou estas regras, decidiu que era tão rico que 1 par de talheres não era o suficiente para demonstrar isto. Daí a modinha pegou na high society que outros memes foram criados para a brincadeira, logo o viral se espalhou e passou a ser “não sofisticado” seguir as normas comuns de educação na mesa, é tipo o orkut, breve twitter se você não tem um hoje em dia, é nawbie ou geek revoltado. E ponto.

A flor é o rango.

A flor é o rango.

Digo mais, a etiqueta prende tanto os “lá de cima”, que determina até a quantidade que o individuo deve comer. Não pode ser muito, mas também não pode ser pouco. Nem médio. WTF!? Tem que ser muito pouco, pela metade. A junção perfeita de três adjetivos quantitativos.

Esse sacrificio todo para mostrar o quão sofisticada, educada e rica a pessoa é. Para depois chegar em casa e andar de cueca pela casa coçando o saco e peidar em bom e alto som, assim como eu, você e todos fazem quando estão sozinhos em casa. Ou você controla o som do seu peido quando está sozinho em casa?

Pra você perceber o rumo bizarro que os conceitos de chique tomaram, basta pensar em caracóis. Logo em seguida pense em pessoas ricas comendo esses caracóis e pagando o preço de caixas de cerveja ( Que absurdo! ) num prato suculento de, repita comigo, caracóis. O nojento é chique, se você pagou caro por isso.

Não adianta, homem é homem em qualquer lugar, com qualquer roupa e com qualquer quantidade de talheres. A raça não nega. Essa tal de etiqueta não é nada mais do que outro rótulo medíocre para tentar separar homem de homem, rico de pobre e nos fazer parecer oque pensamos ser todos os dias após um dia de trabalho, uma mercadoria.

O Próprio nome da tal regra já diz, porra. E-TI-QUE-TA. Quer um slide?

E ai, de que marca você é?

* Estava com idéia para um post sobre outro assunto, quando abri o word mudei de idéa e escrevi isto.

* Leio o post 500 vezes antes de postar e mesmo assim quando passa algum tempo e eu releio, preciso edita-lo em vários trechos ¬¬

* bjsmesiga

About these ads

2 Respostas to “Macacos de terno e gravata”

  1. Abelardo Says:

    “* Leio o post 500 vezes antes de postar e mesmo assim quando passa algum tempo e eu releio, preciso edita-lo em vários trechos ¬¬”

    Idem, as vezes eu edito post até mesmo depois de uma semana de ter postado ele.
    Sim mais uma coisa, de acordo com a nova reforma pornográfica “idéia” perde o acento.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: